terça-feira, 31 de Março de 2009

Problemas dos espaços urbanos






O que é um espaço urbano?

-O espaço urbano é uma abstração do espaço social, que é o espaço total. Atribui-se, ao termo urbano, o que se considera próprio das cidades. Não se deve fazer referência ao urbano apenas pelo espaço físico das cidades, mas também pela sua organização social, política e económica e também pelo modo de vida típico das cidades. Assim, o espaço urbano extrapola os limites físicos das cidades, pois essas características também são encontradas em parcelas do espaço rural. É um dos elementos de estudo.
Grandes cidades, grandes problemas
-Nas cidades de grande dimensão, existem problemas que são motivados pela excessiva concentração de pessoas e de actividades:

-Problemas Ambientais-





-Sabe-se actualmente que as cidades , sobretudo grandes áreas urbanas, criam os seus próprios microclimas. Isso ocorre por causa da grande extensão da superfície de certos materiais comuns nas cidades, tais como concreto, asfalto e cimento, que originam ilhas de calor. Esses materiais retêm parte significativa da energia solar, fazendo com que o local possua uma temperatura média mais alta do que as áreas rurais que o cercam. As grandes metrópoles chegam a registar gradientes de temperatura superiores a 10°C entre seus subúrbios e a área central.
-A maioria das grandes cidades enfrenta um grave problema ambiental: a poluição atmosférica. Algumas cidades geram tanta poluição que o ar acaba por tornar-se saturado de materiais exógenos, criando uma névoa espessa, de cor acinzentada denominada smog.






-A poluição atmosférica, gerada pelas indústrias e veículos motorizados, é uma séria ameaça à saúde dos habitantes de um dado lugar, sendo responsável pela deflagração de inúmeros problemas como alergias, doenças respiratórias, cardiopatias, stress, entre outros. Os problemas decorrentes da má qualidade do ar agravam-se principalmente durante os meses do inverno, devido a presença de um fenómeno conhecido como inversão térmica, que dificulta a dispersão dos poluentes.
-Leis antipoluição podem regular as emissões de gases poluentes das fábricas e veículos automotores, sendo uma possível solução quanto a esse problema. Um sistema de transporte público urbano desenvolvido também é outra opção, em relação à construção de vias públicas de alta capacidade tais como vias expressas, diminuindo o trânsito de veículos nas vias já existentes.


-Esgotos e efluentes industriais continuam a poluir muitos rios, lagos, aquíferos e zona costeiras. Isso pode causar danos à fauna e flora local, tais como mangues e praias. A poluição, além disso, impossibilita ou faça om que não seja práctica a utilização de praias como áreas de recreação, como é o caso de alguns setores da cidade do Rio de Janeiro.
-O lixo é outro grande problema. Várias cidades tem dificuldades em livrar-se adequadamente de seu lixo. A quantidade de lixo que vai para os aterros sanitários cresce com o tempo, e acumula-se com rapidez, enquanto que os incineradores geram poluição atmosférica. Lugares disponíveis para a disposição do lixo estão cada vez mais difíceis de se encontrar, devido à oposição de moradores próximos e de ambientalistas
-Problemas Socioculturais-
Os principais problemas socioculturais que as cidades enfrentam são a criminalidade, a pobreza, e atritos entre diferentes grupos étnico-raciais e/ou culturais.

-Crimes, tais como roubos, sequestros e o tráfico e consumo de drogas ilegais, não ocorrem somente nas cidades. Porém, estes crimes - bem como as causas destes - geralmente são mais pronunciados nas cidades, onde afectam com mais facilidade vários habitantes inocentes, que nada tem a ver com estes actos criminosos, ou criam com mais facilidade novos criminosos.
-A pobreza está associada em grande parte com vários destes crimes. Pessoas que não possuem como sustentar-se e que são negligeciadas pela sociedade por vezes recorrem ao crime como meio de sustentação, roubando, sequestrando e/ou traficando drogas.
-Maior policiamento e cumprimento de leis existentes é um dos possíveis métodos para reduzir as taxas de criminalidade. Porém, estas taxas continuarão altas se os problemas que a causam não são solucionados.
O principal factor causador de crimes em geral é a pobreza, mas crimes podem também ter raízes étnicas e/ou culturais. Por vezes, diferentes grupos étnico-culturais se relacionam bem entre si. Em muitos casos, porém, diferentes grupos étnico-culturais estranham, não confiam, vêem como inferiores e/ou têm medo de outros grupos étnico-culturais. Tais atitudes têm causado atritos e violência entre diferentes grupos étnico-culturais desde a antiguidade.


A pobreza é um dos maiores problemas enfrentados pelas cidades. Mesmo nas cidades localizadas nos países desenvolvidos, onde a maioria dos habitantes da cidade usufruem de um alto nível de qualidade de vida, em muitos casos uma parte considerável de seus habitantes vivem abaixo da linha da pobreza. Este problema data desde os primórdios da antiguidade.
Na maioria das cidades dos países em desenvolvimento os bairros da classe média e da elite estão situdados no núcleo urbano da cidade, com bairros pobres e favelas situados nos limites da cidade. Isto ocorre também em certas cidades localizadas nos países desenvolvidos, como Paris. Já nos Estados Unidos, no Reino Unido e na Irlanda, ocorre exatamente o contrário, onde o núcleo urbano central geralmente possui altas taxas de criminalidade e concentra os guetos e bairros da classe pobre, com a maioria das residências da elite situadas nos limites da cidade e em cidades vizinhas, os chamados subúrbios. Em outras cidades, como Toronto, bairros pobres intercalam-se com bairros ricos. Em todo caso, no geral, a maior parte das melhores instituições educacionais, hospitalares e boas oportunidades de trabalho situam-se próximos aos bairros ricos. A pobreza é causada principalmente do desemprego e pela falta de educação adequada. A segregação urbana impede que o problema da pobreza seja resolvido mesmo a médio ou longo prazo.
Em muitas cidades nos países em desenvolvimento as pessoas não têm como arcar com os custos de manutenção ou aluguel de residências, tendo que morar na rua, em bairros informais chamados favelas, ou em abrigos - em muitos casos, em péssimas condições, mesmo nos países desenvolvidos - fornecidos pela prefeitura ou por terceiros.
Certos grupos governamentais e não-governamentais - especialmente nos países desenvolvidos - procuram minimizar o problema da pobreza e da falta de residenciamento nas cidades através do fornecimento de oportunidades de trabalho, instalações educacionais adequadas e ajuda financeira aos necessitados.
Em síntese:
Em muitas cidades nos países em desenvolvimento as pessoas não têm como arcar com os custos de manutenção ou aluguel de residências, tendo que morar na rua, em bairros informais chamados favelas, ou em abrigos - em muitos casos, em péssimas condições, mesmo nos países desenvolvidos - fornecidos pela prefeitura ou por terceiros.
- A produção de grandes quantidades de resíduos urbanos – lixos e esgotos domésticos e industriais;
- A intensa circulação de transportes rodoviários e o congestionamento de trânsito, que obrigam a perdas de tempo e originam doenças do sistemas nervoso;
- O Aparecimento de áreas da cidade ou de grupos associados a situações de pobreza e de criminalidade;
- A emissção de muitos gases poluentes para a atmosfera, devido à utilização de nergias provinientes de combustíveis fósseis – petróleo, carvão e gás natural.
São estes e outros problemas que, nos países desenvolvidos, levam muitas pessoas a sair de grandes cidades para se instalar nas suas periferias ou em cidades de menor dimensão, dando origem a um movimento migratório inverso ao êxodo rural e provocando o envelhecimento da população urbana, poi quem sai são, sobretudo, as pessoas jovens e adultas.
Nas grandes cidades dos países em desenvolviemnto, estes problemas são mais graves, pois o crescimento urbano, muito rápido, não se tem feito acompanhar pelo desenvolvimento da indústria e dos serviços. Além disso, a oferta de habitação e as redes de distribuição de água e de drenagem das água resíduais são insuficientes. Assim, uma parte significatica da população não encontra emprego e vive em bairros de habitação precária, sem água canalizada e sem esgotos.
Esta situação de pobreza dá origem a outros problemas:
- A falta de sistemas de tratamento do lixo e dos esgotos origina problemas ambientais graves, devido à poluição sos solos, das águas e do ar;
- O desemprego, a falta de condições de vida e de perspectivass de futuro estimulam a criminalidade, a prostituição, o tráfico de drogas e crianças, etc.
- A má alimentação e a falta de higiene e de cuidados de saúde facilitam a propagação de doenças.